SOS-Terrorista libre en Miami

El asesino Luis Posada Carriles está libre en Miami. Fue el autor de la destrucción en pleno vuelo de un avión cubano.Después de una sesión expedita, el panel de tres jueces de la Corte de Apelación de Nueva Orleans que convocó y presidió ayer la audiencia en el caso migratorio del terrorista Luis Posada Carriles, se retiró sin ni siquiera pronunciarse sobre la validez de la solicitud presentada por la llamada Fiscalía antiterrorista del gobierno federal, perpetuando la maniobra dilatoria orientada por la administración de George W. Bush.

En virtud de las leyes norteamericanas, los magistrados no tienen, a partir de ahora, plazo alguno para decidir si consentirán o no estudiar la apelación como tal.

Mientras tanto, Luis Posada Carriles se queda libre en Miami, residiendo en un lugar que su pandilla terrorista mantiene secreto “para proteger su privacidad”, mientras realiza ruidosas apariciones en eventos públicos organizados por su “comité de apoyo” para predicar, con su sola presencia, el uso del terrorismo contra Cuba.

Ampliación de la noticia

263 comentarios

  1. Papa, y ese cuento, jajajaja, vete a hacer política al baño, y a hacer propaganda con tu sitio de mierda a otro lado

  2. Pepito Cachimba
    Supongo que por cada post de noticias en el internet que tu expongas apoyando tu punto de vista yo puedo buscar otros apoyando mi punto de vista como arriba por lo que al final todo se reduce en quien uno cree. Por lo que esto se convierte En ACTO de FE.

    Yo tengo experiencia personal de vivir en el regimen comunista de Fidel Castro en el cual vivi por 26 anos. Te garantizo que en esos 26 anos dijo muchas mentiras.

    Un ejemplo grande fue cuando al principio de la revolucion dijo que la revolucion cubana era verde como las palmas y que no era comunista. (Explicando el que aquello no era comunismo)
    Los cubanos de a pie luego bromeaban y decian que la revolucion se nos comvirtio de palma a mamey!

    No se si sabes de frutas cubanas pero el mamey es una fruta que por fuera cuando no es madura es verde claro y por dentro es de un color rojizo. Espero que entiendas la ironia!

    Como esa te puedo listar montones de mentiras acumuladas a travez de los 50 anos de revolucion.

    Por todo lo cual te digo que cualquier cosa proveniente de su gobierno o del govierno de su hermano debe considerarse sospechosa o con una intencion oculta o quizas manifiesta.

    Solo te digo que mi caso no es unico. Mira en este mismo blog y en el blog de Yoani cuantos estan coninsidiendo con mi mismo punto de vista. Ojala que los cubanos de cuba todos pudieran estar aqui. Entonces podriamos hacer una votacion informal y comprobar que efectivamente todos o la mayoria de los cubanos estamos cansados de el sistema impuesto en cuba y queremos un cambio por uno mejor.

    Saludos
    VozSilente

  3. isallaboutmath

    Primero que nada te quiero felicitar por que se nota que tienes tiempo, el tratar de comunicar una idea o comunicar una posición, tiene su tiempo y requiere de su análisis, en mi caso, tengo limitaciones, ya inicie nuevamente a trabajar, luego de un necesario y merecido descanso, ese me limita tremendamente mi tiempo, para nadie de los que visitan en blog, y han leído mis intervenciones, se han dando cuenta, que en ningún momento he ocultado que yo no soy cubano, me siento amigo del pueblo revolucionario de Cuba, y me siento admirador de sus sistema de gobierno.

    Es mucho lo que escribiste y tratar de darle respuesta a todos lleva tiempo, sin embargo tratare de hacerlo, no obstante que yo también he confesado mis limitaciones en mi formación académica, si es que le puedo llamar así, a una formación que mayoritariamente a sido autodidacta, ya que no tuve la oportunidad de estudiar en la universidad, y no por falta de oportunidades que las tuve muchas y algunas muy buenas, sino por decidía de adolescente y de joven adulto.

    Yo no te tengo pruebas, de lo que pudo pasar en las torres gemelas de NY, sine embargo llama poderosamente la forma irresponsable en que el gobierno manejo las evidencias y los rápido que se deshicieron de ellas, de lo sucedido en esa fecha fatídica de septiembre del año 2001, estoy seguro que la ultima línea de la historia no ha sido escrita, y de eso en la red hay abundante información, por ejemplo solo para ponerse a pensar uno un poco, como es posible que unos cuantos aprendices en navegación aérea, pilotearan aviones, y que de forma tan fácil, estrellar dos aviones en dos torres. O como es posible que dos edificios de implosionarán hacia adentro derribándose de una forma propia de un edificio cuando es demolido por expertos en demolición. De las teorías de lo sucedido en ambas torres hay suficiente información en la red, y especialmente alguien con el tiempo suficiente y la facilidad de acceso a la super carretera, no debe de tener limitaciones para su imaginación y la investigación.

    animalweb.cl/n_o_imperial/sept_11/evidencias_sep11/evidencias_sept_11.htm
    Es una web titulada “la increíble evidencia que hemos dejado de lado”, escrita por Leonardo Spencer.

    11-septiembre-2001.biz/inicio.html
    otro hoja web muy interesante.

    En cuanto a la muerte de Kennedy, hay muchas teorías, no solo la que dice que fue Fidel que lo envío a matarlo, también se habla de que la mafia cubano-americano le cobro al joven presidente su falta de carácter con el contencioso con los cubanos comunistas, especialmente su actuación en lo relacionado con Playa Girón, y luego su actuación en la crisis de octubre la de los misiles. Estoy seguro que si Fidel que era experto en lo relacionado con los franco tiradores, no hubiera cometido el error de mandado a un solo tirador, ya que esos era imposible. Y te digo no soy experto en el uso de las armas, pero como te vuelvo a decir la red esta inundada, de ese tipo de información y de las características del fusil utilizado en el magnicidio, tiene especial relevancia la bala mágica. Me parece extraño que no menciones la teoría de la conspiración, en Wikipedia, en el mismo artículo de la muerte de Kennedy se habla de esta teoría que fue confesada por Howard Hunt en su lecho de muerte.

    analitica.com/va/sociedad/articulos/6834531.asp
    Esta dirección contiene un articulo de prensa y el periodista da las razones por las cuales el cree que no tuvo nada que ver Fidel o el Kremlin.

    desgraciashumanas.blogcindario.com/2006/03/00128-jfk-el-asesinato-de-kennedy-y-el-film-zapruder.html
    Probablemente no es la web mas indicada con respecto al magnicidio, pero es muy interesante.

    rrojasdatabank.info/kenn0000/kennport.pdf
    Es un libro escrito por Robinson Rojas, periodista que escribio un libro sobre el magnicidio en el año 1965, en lo personal es muy apasionante.

    En todo caso me quedo con la película de Oliver Stone que se titulo JFK. En todo caso con las reservas del caso, por el manejo que hacen los directores del cine de la historia.

    En cuanto a los cubanos que salen de la isla, yo dudo que el gobierno cubano tenga estadísticas de esto, especialmente por que mucho de los que salen en balsas o en lanchas rápidas no le notifican al gobierno lo que van a hacer, por lo que no encuentro muy lógico tu racionamiento, lo que si es seguro, el gobierno de EEUU, tiene un dato exacto de cuanto cubanos hay en su territorio, toda vez que si alguien recibe todas las facilidades para residir legalmente en ese territorio son los cubanos, por lo que yo te sugiero que ingreses ala siguiente, dirección web.

    factfinder.census.gov/home/saff/main.html?_lang=en
    Es la oficina del censo de los EEUU.

    En cuanto a los cubanos en otros países, igual te puedo asegurar que ninguna nación tiene datos exactos de cuantos de sus ciudadanos salen de su nación y ya no regresan, pero las naciones que son receptoras de esos ciudadanos en algunos casos tienen esos registro en otros no, pero tratándose de los cubanos, que son ciudadanos que también son vistos como botín político son fáciles de registrar. Se sabe que España es una nación receptora de cubanos, no son los más numerosos con respecto a otras naciones latinoamericanas, pero el departamento de estadística español tiene los datos.

    En cuanto a las famosas bibliotecas que son financiadas por EEUU, basta decirte que en las mismas tiene un papel muy relevante la esposa del actual presidente de esa nación.

    Solo tengo que resaltar que el nombre correcto de las bibliotecas promovidas y financiadas por EEUU, su nombre verdadero es Bibliotecas independientes, ten doy el acceso algunos artículos reveladores, con respecto a estos adefesios, uno mas de los medios para agredir al pueblo y su revolución.

    rebelion.org/noticia.php?id=16778
    La verdad sobre las denominadas bibliotecas independientes cubanas, escrito por Diana Barahona.

    cubanlibrariessolidaritygroup.org.uk/articles.asp?ID=102
    Es un documento escrito por Felipe Meneses Tello.

    inforosocial.net/ponencias/eje05/81.pdf
    Un documento sobre las bibliotecas publicas en la Habana.

    inforosocial.net/ponencias/eje05/81.pdf
    Biblioteca nacional de Cuba.

    granma.cu/espanol/2006/septiembre/mier6/37bibliotecas.html
    Una noticia relacionada con la manipulación de EEUU y su creación de bibliotecas independiente.

    tricontinental.cubaweb.cu/america_norte/texto89.html
    Un artículo escrito por Salim Lamrani, titulado “Cuba y el Mito de las Bibliotecas Independientes.

    lafogata.org/tecnologia/med_pagopor.htm
    Un articulo escrito por Rhonda L. Neugebauer es bibliógrafa. Estudios Latinoamericanos. Universidad de California, Riverside.

    No me cabe la menor duda que en EEUU, no permitirían que civiles lleven a cabo acciones contra su propia nación, financiadas por otra nación.

    Tengo la certeza de que no conteste todas tus preguntas, es importante resaltar que mis respuestas son mis apreciaciones, y por lo mismo no espero que te satisfagan. Por lo demás por el tiempo que te tomaste en plantear tu ideas, me tome un poco del mío, lamentablemente no siempre lo podré hacer y probablemente sea la ultima vez que lo haga, mi propósito no es dar respuesta a todos los que me cuestionan, ya que cada quien es libre de creer en lo que quiera o en lo que le hagan creer.

    Saludos.

    Con las disculpas del caso pero en ocasiones cuando pongo direcciones web, en el blog de Yohandry, no se pega mi comentario, por lo que le tengo que eliminar el famoso http://www, por favor agregárselo o simplemente copia y pegar en la barra respectiva, las direcciones que incluyo en este comentario.

  4. isallaboutmath

    Primero que nada te quiero felicitar por que se nota que tienes tiempo, el tratar de comunicar una idea o comunicar una posición, tiene su tiempo y requiere de su análisis, en mi caso, tengo limitaciones, ya inicie nuevamente a trabajar, luego de un necesario y merecido descanso, ese me limita tremendamente mi tiempo, para nadie de los que visitan en blog, y han leído mis intervenciones, se han dando cuenta, que en ningún momento he ocultado que yo no soy cubano, me siento amigo del pueblo revolucionario de Cuba, y me siento admirador de sus sistema de gobierno.

    Es mucho lo que escribiste y tratar de darle respuesta a todos lleva tiempo, sin embargo tratare de hacerlo, no obstante que yo también he confesado mis limitaciones en mi formación académica, si es que le puedo llamar así, a una formación que mayoritariamente a sido autodidacta, ya que no tuve la oportunidad de estudiar en la universidad, y no por falta de oportunidades que las tuve muchas y algunas muy buenas, sino por decidía de adolescente y de joven adulto.

    Yo no te tengo pruebas, de lo que pudo pasar en las torres gemelas de NY, sine embargo llama poderosamente la forma irresponsable en que el gobierno manejo las evidencias y los rápido que se deshicieron de ellas, de lo sucedido en esa fecha fatídica de septiembre del año 2001, estoy seguro que la ultima línea de la historia no ha sido escrita, y de eso en la red hay abundante información, por ejemplo solo para ponerse a pensar uno un poco, como es posible que unos cuantos aprendices en navegación aérea, pilotearan aviones, y que de forma tan fácil, estrellar dos aviones en dos torres. O como es posible que dos edificios de implosionarán hacia adentro derribándose de una forma propia de un edificio cuando es demolido por expertos en demolición. De las teorías de lo sucedido en ambas torres hay suficiente información en la red, y especialmente alguien con el tiempo suficiente y la facilidad de acceso a la super carretera, no debe de tener limitaciones para su imaginación y la investigación.

    http://www.animalweb.cl/n_o_imperial/sept_11/evidencias_sep11/evidencias_sept_11.htm
    Es una web titulada “la increíble evidencia que hemos dejado de lado”, escrita por Leonardo Spencer.

    http://www.11-septiembre-2001.biz/inicio.html
    otro hoja web muy interesante.

    En cuanto a la muerte de Kennedy, hay muchas teorías, no solo la que dice que fue Fidel que lo envío a matarlo, también se habla de que la mafia cubano-americano le cobro al joven presidente su falta de carácter con el contencioso con los cubanos comunistas, especialmente su actuación en lo relacionado con Playa Girón, y luego su actuación en la crisis de octubre la de los misiles. Estoy seguro que si Fidel que era experto en lo relacionado con los franco tiradores, no hubiera cometido el error de mandado a un solo tirador, ya que esos era imposible. Y te digo no soy experto en el uso de las armas, pero como te vuelvo a decir la red esta inundada, de ese tipo de información y de las características del fusil utilizado en el magnicidio, tiene especial relevancia la bala mágica. Me parece extraño que no menciones la teoría de la conspiración, en Wikipedia, en el mismo artículo de la muerte de Kennedy se habla de esta teoría que fue confesada por Howard Hunt en su lecho de muerte.

    http://www.analitica.com/va/sociedad/articulos/6834531.asp
    Esta dirección contiene un articulo de prensa y el periodista da las razones por las cuales el cree que no tuvo nada que ver Fidel o el Kremlin.

    desgraciashumanas.blogcindario.com/2006/03/00128-jfk-el-asesinato-de-kennedy-y-el-film-zapruder.html
    Probablemente no es la web mas indicada con respecto al magnicidio, pero es muy interesante.

    http://www.rrojasdatabank.info/kenn0000/kennport.pdf
    Es un libro escrito por Robinson Rojas, periodista que escribio un libro sobre el magnicidio en el año 1965, en lo personal es muy apasionante.

    En todo caso me quedo con la película de Oliver Stone que se titulo JFK. En todo caso con las reservas del caso, por el manejo que hacen los directores del cine de la historia.

    En cuanto a los cubanos que salen de la isla, yo dudo que el gobierno cubano tenga estadísticas de esto, especialmente por que mucho de los que salen en balsas o en lanchas rápidas no le notifican al gobierno lo que van a hacer, por lo que no encuentro muy lógico tu racionamiento, lo que si es seguro, el gobierno de EEUU, tiene un dato exacto de cuanto cubanos hay en su territorio, toda vez que si alguien recibe todas las facilidades para residir legalmente en ese territorio son los cubanos, por lo que yo te sugiero que ingreses ala siguiente, dirección web.

    factfinder.census.gov/home/saff/main.html?_lang=en
    Es la oficina del censo de los EEUU.

    En cuanto a los cubanos en otros países, igual te puedo asegurar que ninguna nación tiene datos exactos de cuantos de sus ciudadanos salen de su nación y ya no regresan, pero las naciones que son receptoras de esos ciudadanos en algunos casos tienen esos registro en otros no, pero tratándose de los cubanos, que son ciudadanos que también son vistos como botín político son fáciles de registrar. Se sabe que España es una nación receptora de cubanos, no son los más numerosos con respecto a otras naciones latinoamericanas, pero el departamento de estadística español tiene los datos.

    En cuanto a las famosas bibliotecas que son financiadas por EEUU, basta decirte que en las mismas tiene un papel muy relevante la esposa del actual presidente de esa nación.

    Solo tengo que resaltar que el nombre correcto de las bibliotecas promovidas y financiadas por EEUU, su nombre verdadero es Bibliotecas independientes, ten doy el acceso algunos artículos reveladores, con respecto a estos adefesios, uno mas de los medios para agredir al pueblo y su revolución.

    http://www.rebelion.org/noticia.php?id=16778
    La verdad sobre las denominadas bibliotecas independientes cubanas, escrito por Diana Barahona.

    http://www.cubanlibrariessolidaritygroup.org.uk/articles.asp?ID=102
    Es un documento escrito por Felipe Meneses Tello.

    http://www.inforosocial.net/ponencias/eje05/81.pdf
    Un documento sobre las bibliotecas publicas en la Habana.

    http://www.inforosocial.net/ponencias/eje05/81.pdf
    Biblioteca nacional de Cuba.

    http://www.granma.cu/espanol/2006/septiembre/mier6/37bibliotecas.html
    Una noticia relacionada con la manipulación de EEUU y su creación de bibliotecas independiente.

    http://www.tricontinental.cubaweb.cu/america_norte/texto89.html
    Un artículo escrito por Salim Lamrani, titulado “Cuba y el Mito de las Bibliotecas Independientes.

    http://www.lafogata.org/tecnologia/med_pagopor.htm
    Un articulo escrito por Rhonda L. Neugebauer es bibliógrafa. Estudios Latinoamericanos. Universidad de California, Riverside.

    No me cabe la menor duda que en EEUU, no permitirían que civiles lleven a cabo acciones contra su propia nación, financiadas por otra nación.

    Tengo la certeza de que no conteste todas tus preguntas, es importante resaltar que mis respuestas son mis apreciaciones, y por lo mismo no espero que te satisfagan. Por lo demás por el tiempo que te tomaste en plantear tu ideas, me tome un poco del mío, lamentablemente no siempre lo podré hacer y probablemente sea la ultima vez que lo haga, mi propósito no es dar respuesta a todos los que me cuestionan, ya que cada quien es libre de creer en lo que quiera o en lo que le hagan creer.

    Saludos.

    Con las disculpas del caso pero en ocasiones cuando pongo direcciones web, en el blog de Yohandry, no se pega mi comentario, por lo que le tengo que eliminar el famoso http://, por favor agregárselo o simplemente copia y pegar en la barra respectiva.

  5. isallaboutmath

    Primero que nada te quiero felicitar por que se nota que tienes tiempo, el tratar de comunicar una idea o comunicar una posición, tiene su tiempo y requiere de su análisis, en mi caso, tengo limitaciones, ya inicie nuevamente a trabajar, luego de un necesario y merecido descanso, ese me limita tremendamente mi tiempo, para nadie de los que visitan en blog, y han leído mis intervenciones, se han dando cuenta, que en ningún momento he ocultado que yo no soy cubano, me siento amigo del pueblo revolucionario de Cuba, y me siento admirador de sus sistema de gobierno.

    Es mucho lo que escribiste y tratar de darle respuesta a todos lleva tiempo, sin embargo tratare de hacerlo, no obstante que yo también he confesado mis limitaciones en mi formación académica, si es que le puedo llamar así, a una formación que mayoritariamente a sido autodidacta, ya que no tuve la oportunidad de estudiar en la universidad, y no por falta de oportunidades que las tuve muchas y algunas muy buenas, sino por decidía de adolescente y de joven adulto.

    Yo no te tengo pruebas, de lo que pudo pasar en las torres gemelas de NY, sine embargo llama poderosamente la forma irresponsable en que el gobierno manejo las evidencias y los rápido que se deshicieron de ellas, de lo sucedido en esa fecha fatídica de septiembre del año 2001, estoy seguro que la ultima línea de la historia no ha sido escrita, y de eso en la red hay abundante información, por ejemplo solo para ponerse a pensar uno un poco, como es posible que unos cuantos aprendices en navegación aérea, pilotearan aviones, y que de forma tan fácil, estrellar dos aviones en dos torres. O como es posible que dos edificios de implosionarán hacia adentro derribándose de una forma propia de un edificio cuando es demolido por expertos en demolición. De las teorías de lo sucedido en ambas torres hay suficiente información en la red, y especialmente alguien con el tiempo suficiente y la facilidad de acceso a la super carretera, no debe de tener limitaciones para su imaginación y la investigación.

    http://www.animalweb.cl/n_o_imperial/sept_11/evidencias_sep11/evidencias_sept_11.htm
    Es una web titulada “la increíble evidencia que hemos dejado de lado”, escrita por Leonardo Spencer.

    http://www.11-septiembre-2001.biz/inicio.html
    otro hoja web muy interesante.

    En cuanto a la muerte de Kennedy, hay muchas teorías, no solo la que dice que fue Fidel que lo envío a matarlo, también se habla de que la mafia cubano-americano le cobro al joven presidente su falta de carácter con el contencioso con los cubanos comunistas, especialmente su actuación en lo relacionado con Playa Girón, y luego su actuación en la crisis de octubre la de los misiles. Estoy seguro que si Fidel que era experto en lo relacionado con los franco tiradores, no hubiera cometido el error de mandado a un solo tirador, ya que esos era imposible. Y te digo no soy experto en el uso de las armas, pero como te vuelvo a decir la red esta inundada, de ese tipo de información y de las características del fusil utilizado en el magnicidio, tiene especial relevancia la bala mágica. Me parece extraño que no menciones la teoría de la conspiración, en Wikipedia, en el mismo artículo de la muerte de Kennedy se habla de esta teoría que fue confesada por Howard Hunt en su lecho de muerte.

    http://www.analitica.com/va/sociedad/articulos/6834531.asp
    Esta dirección contiene un articulo de prensa y el periodista da las razones por las cuales el cree que no tuvo nada que ver Fidel o el Kremlin.

    http://desgraciashumanas.blogcindario.com/2006/03/00128-jfk-el-asesinato-de-kennedy-y-el-film-zapruder.html
    Probablemente no es la web mas indicada con respecto al magnicidio, pero es muy interesante.

    http://www.rrojasdatabank.info/kenn0000/kennport.pdf
    Es un libro escrito por Robinson Rojas, periodista que escribio un libro sobre el magnicidio en el año 1965, en lo personal es muy apasionante.

    En todo caso me quedo con la película de Oliver Stone que se titulo JFK. En todo caso con las reservas del caso, por el manejo que hacen los directores del cine de la historia.

    En cuanto a los cubanos que salen de la isla, yo dudo que el gobierno cubano tenga estadísticas de esto, especialmente por que mucho de los que salen en balsas o en lanchas rápidas no le notifican al gobierno lo que van a hacer, por lo que no encuentro muy lógico tu racionamiento, lo que si es seguro, el gobierno de EEUU, tiene un dato exacto de cuanto cubanos hay en su territorio, toda vez que si alguien recibe todas las facilidades para residir legalmente en ese territorio son los cubanos, por lo que yo te sugiero que ingreses ala siguiente, dirección web.

    http://factfinder.census.gov/home/saff/main.html?_lang=en
    Es la oficina del censo de los EEUU.

    En cuanto a los cubanos en otros países, igual te puedo asegurar que ninguna nación tiene datos exactos de cuantos de sus ciudadanos salen de su nación y ya no regresan, pero las naciones que son receptoras de esos ciudadanos en algunos casos tienen esos registro en otros no, pero tratándose de los cubanos, que son ciudadanos que también son vistos como botín político son fáciles de registrar. Se sabe que España es una nación receptora de cubanos, no son los más numerosos con respecto a otras naciones latinoamericanas, pero el departamento de estadística español tiene los datos.

    En cuanto a las famosas bibliotecas que son financiadas por EEUU, basta decirte que en las mismas tiene un papel muy relevante la esposa del actual presidente de esa nación.

    Solo tengo que resaltar que el nombre correcto de las bibliotecas promovidas y financiadas por EEUU, su nombre verdadero es Bibliotecas independientes, ten doy el acceso algunos artículos reveladores, con respecto a estos adefesios, uno mas de los medios para agredir al pueblo y su revolución.

    http://www.rebelion.org/noticia.php?id=16778
    La verdad sobre las denominadas bibliotecas independientes cubanas, escrito por Diana Barahona.

    http://www.cubanlibrariessolidaritygroup.org.uk/articles.asp?ID=102
    Es un documento escrito por Felipe Meneses Tello.

    http://www.inforosocial.net/ponencias/eje05/81.pdf
    Un documento sobre las bibliotecas publicas en la Habana.

    http://www.inforosocial.net/ponencias/eje05/81.pdf
    Biblioteca nacional de Cuba.

    http://www.granma.cu/espanol/2006/septiembre/mier6/37bibliotecas.html
    Una noticia relacionada con la manipulación de EEUU y su creación de bibliotecas independiente.

    http://www.tricontinental.cubaweb.cu/america_norte/texto89.html
    Un artículo escrito por Salim Lamrani, titulado “Cuba y el Mito de las Bibliotecas Independientes.

    http://www.lafogata.org/tecnologia/med_pagopor.htm
    Un articulo escrito por Rhonda L. Neugebauer es bibliógrafa. Estudios Latinoamericanos. Universidad de California, Riverside.

    No me cabe la menor duda que en EEUU, no permitirían que civiles lleven a cabo acciones contra su propia nación, financiadas por otra nación.

    Tengo la certeza de que no conteste todas tus preguntas, es importante resaltar que mis respuestas son mis apreciaciones, y por lo mismo no espero que te satisfagan. Por lo demás por el tiempo que te tomaste en plantear tu ideas, me tome un poco del mío, lamentablemente no siempre lo podré hacer y probablemente sea la ultima vez que lo haga, mi propósito no es dar respuesta a todos los que me cuestionan, ya que cada quien es libre de creer en lo que quiera o en lo que le hagan creer.

    Saludos.

  6. FOLHA – Por que decidiu criar o blog? Quando foi? Foi uma resposta ao blog de Yoani Sánchez?

    YOHANDRY FONTANA – Na realidade, participava do blog de Yoani com meus comentários até que censuraram o endereço de IP pelo qual me conectava. Então, eu não pude mais me conectar e começou a sair tudo relacionado com Ricardo Alarcón, o presidente do Parlamento de Cuba, e o diálogo que teve com os estudantes da Universidade de Ciências Informática (UCI).

    Esse vídeo [do debate com Alarcón] foi censurado. Ao que parece, filtrou-se aos meios de imprensa internacional e se fez uma boa montagem na qual se manipulava Alarcón e Eliécer [um dos estudantes do vídeo], tratando de colocá-lo como um jovem rebelde, crítico do sistema, quando na realidade ele explicou, antes de começar o diálogo, que suas perguntas, recomendações e palavras, no geral, tinham o objetivo de melhorar o socialismo.

    A partir desta manipulação, em 8 de fevereiro, comecei meu site no “El País”, para dizer a verdade sobre esse assunto e contar a realidade de Cuba que os grande meios de comunicação distorcem. Nele começaram a chegar dezenas de cubanos, muitos da UCI. Por todos os rincões da UCI falou-se que havia um site que esclarecia muitas coisas. Eles começaram a dizer onde estava Eliécer, contaram a vida dele lá, desmentir tudo, talvez por isso digam que eu sou um blogueiro da UCI, o que não é verdade. Sou um médico cubano, mas eles tem direito de acreditar ou não.

    FOLHA – Por que acredita que é importante tê-lo? Os blogs são uma ferramenta importante ao menos para uma parte da cidadania em Cuba? Qual será o futuro dessa ferramenta?

    FONTANA – A internet não pôde se desenvolver com todas as potencialidades em Cuba. Por conta do bloqueio norte-americano em Cuba é impossível conectar-se aos cabos de fibra ótica que passam nos arredores do país, por tanto, a internet em Cuba é satelital e está ligada a projetos de desenvolvimento, mas milhares de jornalistas, cientistas, escritores, artistas, entre outros têm acesso tanto à rede internacional como à rede cubana.

    São muitos os blogueiros cubanos, contei mais de 300 sites de periodistas, médicos e escritores. Todos fora de Cuba. O país não tem uma plataforma para desenvolver esse tipo de projeto individual e utilizam “El País”, WordPress, entre outros para contar a verdade de Cuba desde uma perspectiva muito pessoal, e creio que esse é o valor que têm esses blogs, que continuarão se desenvolvendo, e estou certo de que algum dia Cuba poderá ter sua própria ferramenta.

    FOLHA – Você usa gmail, mas em alguns lugares de Cuba não é possível, pelo que ouvi, certo? Como avalia o uso de internet na ilha?

    FONTANA – Os cubanos usam gmail, yahoo, hotmail. Não estão fechados. Nos meios de imprensa, nos centros científicos, nas conexões pessoais que o país prioriza se pode acessar os sites. Os que estão conectados à rede Cuba [intranet], como muitos médicos, têm a possibilidade de ter um correio institucional

    FOLHA – Que indícios tem das conexões entre a blogueira Yoani Sánchez e o escritor dissidente cubano Carlos Alberto Montaner?

    FONTANA – Essa foi uma suposição deixada por um dos participante do fórum do blog que desapareceu do “El País”, foi apagado. Ao que parece, eles não gostaram do que ele argumentou, que Yoani e Montaner se conheciam, que o blog que ela escreve desde Cuba é um projeto montado na Espanha, e que o grupo Prisa [do El País], está por trás disso junto com Montaner, e que está alojado num servidor na Alemanha.

    Então, eu peguei essa argumentação e passei a um post com um comentário prévio. Em certas ocasiões, bons comentários se perdem no blog, mas tenho o estilo de selecionar aqueles que, na minha visão, aportam algumas idéias, e esse foi um deles. Montaner tem um amplo expediente em Cuba de sua vinculação com a CIA. Ele tem uma missão especial na Europa: reunir a maior quantidade de intelectuais possível para que denigram a revolução.

    Dias de depois que colocaram esse comentário no meu blog e eu passei a um post, saíram acusações em kaosenlared.com que ligavam Montaner e Yoani. Inclusive Montaner pressionou a Prisa, o “El País”, para que o correspondente desse meio falasse em Havana com Yoani. Não posso confirmar isso, quem teria de explicar o assunto seria Montaner e Yoani. Montaner disse que não a conhecia. Parece que soube pelo blog da acusação. Eu, por minha visão pessoal, depois de ver a defesa dela feita por Montaner no Diário das Américas, e logo da famosa e desacreditada carta ao diretor do “Granma”, na qual defende Yoani. Creio que sim pode haver um vínculo. Neste mundo pode haver de tudo.

    Também li a defesa dela feita por Negroponte, um representante do império. Se alguém começa a analisar, haveria de perguntar-se o que faz esse senhor Negroponte falando de uma simples blogueira cubana. Isso é uma suposição minha, sou responsável por elas. Acredito que no fundo alguma coisa está acontecendo, como disse no meu blog. É preciso investigar, ligar para Yoani, entrevistar Montaner, mas os blogueiros, que se identificaram como espanhóis, deram dados muito interessantes. Chegaram a dizer que a [revista] “Time” fez fotos dela na Espanha muito antes dela ganhar o prêmio. Isso pode buscar-se, procurar a “Time”, o repórter que fez essas imagens. Quer dizer, se pode ir montando o quebra-cabeças. Eu, depois de tudo que li, sim, acredito que existe um vínculo entre Montaner e Yoani. Não estou dizendo que é a CIA, mas algo está escondido aí.

    Yoani Sánchez é uma construção midiática. Seu blog é um em meio a milhões de blogs no mundo. Em Cuba, muitos têm blogs desde muito antes, blogs críticos, mas que não têm prêmios. Sai primeiro o prêmio de “El País” a Yoani, então a “Time” lhe coloca entre umas das pessoas mais influentes do planeta. Dá para rir disso por uma semana. Deveria se perguntar quanto pagou-se à “Time” para que colocasse essa pessoa, que ninguém conhece em Cuba, salvo alguns blogueiros, dentro dessa lista.

    FOLHA – Por que acredita que não pode mais ficar no provedor do ‘El País’? Eles dizem que você violou as regras, difamando pessoas…

    FONTANA – Porque mencionei Montaner e o Grupo Prisa. Os blogueiros começaram, inclusive, a dizer que Prisa é um império em ampliação, com dinheiro que chega dos Estados Unidos. Isso era muito forte para “El País”. Os comentários são abertos, cada um expressa o que acha, e meu entendimento é não moderar. Não apago nenhum. É uma fabulosa fonte de informação que os jornalistas começam a olhar.

    Um dos participantes do fórum disse que Yoani esteve na Espanha uma temporada e que Montaner a ajudou para que, em troca, ela fizesse esse projeto. Pode ser que termine descoberto toda essa construção midiática, que tudo foi uma montagem da qual participaram o grupo Prisa, Montaner e Negroponte. Creio que existem elementos suficientes para fazer conexões e fazer uma boa investigação jornalística.

    FOLHA – O que faz para viver? Como faz para conectar?

    FONTANA – Sou médico, me chamo Yohandry Fontana. Vivo do meu salário, que é de 550 pesos mensais (US$ ). Minha companheira também ganha esse salário. Viemos apertados, mas vivemos. Conecto a partir de uma rede que se chama Infomed, e agora tenho dezenas de colaboradores que querem ampliar esse projeto e me oferecem possibilidades. Estamos estudando um projeto muito maior.

    Nunca estive na UCI. Não conheço ninguém lá, mas a presença forte dos estudantes dessa instituição foi o que pôs uma marca no blog com tudo relacionado a Eliécer e Alarcón. Foram bons participantes do blog. Então deixaram de participar e quem sabe não conheçam ainda o novo blog.

    FOLHA – Seus críticos questionam porque você não coloca uma foto. E isso alimenta rumores de que não é uma pessoa real, mas um coletivo do governo. O que diz disso?

    FONTANA – Os blogueiros não têm porque colocar fotos. Milhares de sites o que utilizam são imagens, não necessariamente tem que personalizar a blog com uma foto. Gosto da palma real, uma árvore cubana. Essa imagem era a que utilizava no blog de “El País”. Tinha uma martelo no meio. É um desenho de Gerardo Hernández Nordelo, um dos cinco cubanos que estão presos injustamente nas cadeias norte-americanas por lutar contra o terrorismo.

  7. Entre governo e oposição, falta sociedade civil, diz Yoani
    Publicidade
    da Folha de S.Paulo

    A premiada blogueira Yoani Sánchez, 32, disse querer usar as páginas pessoais para promover a sociedade civil em Cuba: “Há que fortalecer o indivíduo acima da massa”. Ela negocia com a editora espanhola Alfaguara o lançamento de um livro baseado em seu blog.

    FOLHA – Tem idéia de quantas entrevistas já deu desde que ganhou o prêmio?

    YOANI SÁNCHEZ – Já dei muitas entrevistas, mas não contei. Sabe o que acontece? Eu não gosto de me negar a falar com as pessoas. Gosto de aceitar conversar, com todo mundo. Não creio que nenhum jornalista possa me obrigar a dizer algo que não quero. Sinto-me muito tranqüila com a imprensa. Não há porque temer.

    FOLHA – Não há como conectar seu blog de um hotel de Havana. Ele está bloqueado?

    SÁNCHEZ – Não se pode acessar nem nos hotéis nem nos dois cybercafé da cidade, mas sei que não está bloqueado no país inteiro. Tenho amigos que entram por servidores que não são públicos, mas de empresas. É verdade. Mas já me cansei. Protestei, mas não vou seguir dizendo isso todos os dias.

    FOLHA – Há um blog na rede que faz acusações a você, diz que está relacionada com o escritor Carlos Alberto Montaner. Como você responde a isso?

    SÁNCHEZ – Não duvido. Conheço. Creio que até mês passado. Eu vi, mas eu não posso navegar na internet. Tenho uma relação muito pragmática, que me dá também muita higiene mental. Existem pessoas que dizem isso e aquilo de mim. Isso pertence a minha vida virtual. Eu respondo aos ataques na minha vida pessoal. Não quero cair neste ciclo de me defender, porque essa não é a idéia do blog.

    Na verdade, cada um tem o direito de dizer de mim o que quiser. Formar opiniões todo mundo pode, mas o que há é um limite que é o mínimo respeito ao outro e a difamação. Quando se fala em difamação, estamos num terreno legal.

    Mas, o que acontece? Como cidadã cubana que sou, estou acostumada a não poder apelar nas coisas que dizem nos meios. Os cubanos estamos acostumados a ver na TV uma série de ataques a pessoas, mas não vê essas pessoas no mesmo meio se defendendo. Nisso, já estou acostumada que não posso fazer muito. Agora, não me preocupo. Me parece que se uma pessoa tem como centro de seu blog “o ataque a”, ser “anti de”, essa pessoa tem uma idéia muito pobre. Isso não dá muito, isso se esgota, e os leitores são os primeiros a ver. Confio na inteligência dos leitores.

    FOLHA – Vários opositores do governo citaram e defenderam você, como o Montaner, integrantes do governo americano. Como vê isso?

    SÁNCHEZ – Olha, todo projeto que nasce é passível de ser manipulado. Toda pessoa que emite uma opinião pública é suscetível. A história é a história da manipulação. Conheço pessoas que ninguém manipula. Tenho uma vizinha que ninguém manipula, porque nunca emite uma opinião. Esse é o risco. Por isso, não me preocupo. Penso que de casos montados, e de campanhas contra pessoas, os cubanos já vimos muito e já estamos um pouco saturados. Creio que é o mesmo nível de saturação que tenho contra esses grandes espetáculos midiáticos, e todas as interrogantes concretas que tenho sobre minha realidade, penso que são compartilhadas por muito cubanos. Não queremos ver nos meios essas grandes palhaçadas contra pessoas, o que queremos ver é solução para os problemas concretos.

    É disso que eu falo. Vinculação entre uma pessoa e outra se pode estabelecer de todo tipo. Inclusive as figuras políticas cubanas conhecem muito essas campanhas. Mas, o que difama e não mostra provas… Eu sou filóloga e eu sei que qualquer um pode unir palavras e dizer qualquer coisa. Todas essas acusações? Onde estão as provas? Não me interessa cair nesse ciclo. Hemingway tinha um carimbo para quando ele recebesse correspondência de leitores que dizia: “Não respondo cartas”. Vou fazer um carimbo que dirá: “Não respondo insultos”. Por quê? É muito fácil fazer um ataque pessoal. Falo de uma situação, dou argumentos, e me respondem que meu cabelo é feio, que eu sou muito magra, que meu tio é vesgo. Isso não… É desgastante. Estou muito concentrada no meu blog.

    FOLHA – Você não pôde viajar à Espanha para receber o prêmio Ortega y Gasset. O que era o prêmio?

    SÁNCHEZ – É um gravura de um importante artista espanhol, que já tenho em minhas mãos. E 15 mil euros, que não sei quando terei. Parte dele eu pretendo usar para melhorar o blog, o servidor, que está quase para colapsar. Sobretudo, a cerimônia me importava muito pela possibilidade de encontrar outros premiados, de reencontrar amigos na Espanha. Recebi a resposta do governo em um documento que coloquei no meu blog. É um documento de rotina que dão a todas as pessoas no mesmo caso, que diz que não posso viajar “neste momento”. Esse momento pode ser dez anos ou dois meses.

    FOLHA – A que atribui o sucesso do blog, principalmente fora de Cuba? Sabe quantos acessos tem na ilha?

    SÁNCHEZ – Não sou pioneira. Muitos fatores influíram: que uma pessoa com seu nome e rosto escreva um blog. Isso gera muita empatia. É uma atitude um pouco kamikaze, e dá confiança às pessoas. Outro aspecto: alguém da minha geração que põe suas idéias por escrito. Minha geração é a que fornece mais gente para imigração. Muitos optaram por sair ou calar a boca. Alguém da minha geração, nascida na Revolução, que deveria ser o homem novo, diga: “Um momento, isso não é parecido com o que prometeram quando pequena”. Causa surpresa. Outro elemento: faço com uma linguagem que não acadêmica, que não é para especialistas, bem escrita, que não apela à violência verbal. Que não insulta. Que não tem rancor, embora muita frustração. Uma mescla de ironia e desencanto. E também o eco dos meios de comunicação. Agora é um fenômeno. Estamos em maio mais 9 milhões de hits.

    Houve uma semana que Cuba era o segundo país que mais visitava o blog. Depende muito dos ataques. Quando tem muitos ataques, há muita gente de Cuba. Há muitos soldados de internet. Os blogs são uma alternativa ao jornalismo tradicional. A gente não quer só a notícia perfeita, quer ver as impressões, a visão pessoal. Na Cuba hoje, essa voz pessoal é uma alternativa à chata tv e meios oficiais, que são um sonho do que devemos ser. Por isso que os blogs aqui tem tanta pegada.

    FOLHA – Em uma declaração, você disse que a geração dos seus pais foi a do desencanto, que a sua é a do cinismo, e que a do seu filho é da moral geneticamente modificada. Por quê?

    SÁNCHEZ – A moral dupla é uma caraterística que atravessa toda a sociedade cubana. Não importa a idade. Temos um sistema que privilegiou, beneficiou a afinidade ideológica diante do talento e da competitividade real. Muitos colocam as máscaras da ideologia para poder trabalhar num hotel, num carro que recebe pesos conversíveis, porque sabem que esse é o caminho mais rápido. É um sistema que penaliza a discrepância, o que consegue é ter um exército de oportunistas. A moral dupla se eliminará quando se disser abertamente que não é um problema, não é um delito opinar. O dia que o governo numa praça pública diga que um cubano de qualquer tendência política terá as mesmas possibilidades de trabalho e estudo, só sua capacidade definirá seu destino profissional. E mais: poderá expor soluções, não importa a cor política que tenha, nesse dia, vai começar a acabar a dupla moral. Enquanto se chamar à crítica e o debate e se diga claramente que é nos limites de um pensamento revolucionário, socialista, as pessoas que querem atuar também guardam os projetos mais conflitivos na gaveta, e tiram os mais naïve, mais rosaditos, mais cômodos para o governo. Os verdadeiros projetos estão nas gavetas: projetos econômicos…

    FOLHA – Você conhece esses projetos?

    SÁNCHEZ – Em Cuba há acadêmicos de alto nível. As pessoas estão preparadas. Há pessoas que tem projetos para sanear a economia, para reestruturar os sistemas educativo e de saúde, sobretudo o educativo. Para refazer de alguma maneira o tema agrícola. E muitas dessas pessoas não se atrevem a dizer que têm esses projetos.

    FOLHA – Mas Raúl Castro convocou um debate nacional sobre o país. O que acha do chamado?

    SÁNCHEZ – Faz-se um chamado ao debate com limites muito estritos. Em Cuba, neste momento, está numa situação muito delicada neste momento. Economicamente, socialmente. É o esgotamento de um projeto social, que já não mostra visivelmente outros argumentos que não sejam: o império, Cuba antes da Revolução e os países mais pobres da América Latina. Já nem se fala mais sequer da igualdade. Porque a dualidade monetária dividiu o país. De todos por um, cada qual segundo sua capacidade e necessidade. O que está acontecendo na agricultura agora é uma prova da falta de liberdade do agricultor para produzir segundo as leis do mercado, e não com as regras do governo.

    FOLHA – Para você as medidas do governo para incentivar os produtores agrícolas privados são insuficientes?

    SÁNCHEZ – Muito lentamente… Venderam-se suplementos agrícolas aos camponeses, mas nenhum grande suplemento nem combustíveis. Mas, além disso, quando os camponeses comecem a ganhar um pouco mais, vão querer comprar coisas. Não só sapatos e roupas. Vão querer uma casa melhor, comprar um automóvel, viajar… Vão a ter um número de necessidade que eu não se o governo está disposto a satisfazer. Por isso, te digo, que muitas pessoas não substantivam a necessidade de liberdade de expressão. Encontramos gente na rua que diz: eu queria visitar minha irmã que vive na Itália. Te dizem exemplos concretos. Mas em todos esses exemplos, há de alguma maneira o tema das liberdades cidadãs. Há um nível de apatia, de desconexão, entre a maioria das pessoas e o que acontece no governo. Há muita apatia e muita gente vive à margem disso. É incrível, mas a saturação ideológica, a saturação política nos meios de imprensa conseguiu um efeito contrário: a desconexão. Estão preparando a nova reunião da Assembléia Nacional. Sai na imprensa, na TV, mas você pergunta a alguém na rua e ninguém sabe. Ninguém tem fé que a Assembléia possa mudar algo. Essa apatia atravessa a sociedade. Uma pergunta a fazer às pessoas menores de 30 anos é: você queria ir embora? E essa é uma maneira de se definir. Como dizemos aqui, é votar com os pés.

    FOLHA – O seu filho tem 12 anos. Como você avalia o sistema de ensino?

    SÁNCHEZ – Meu filho está na secundária. Nestes momentos, o ensino médio cubano está em uma profunda crise. Estou muito preocupada. Ele tem dois professores, chamados de “professores integrais gerais”, são pessoas muito jovens. A menina tem 17 anos, o homem 21. Meu filho tem 12. Esses professores não tem formação adequada para enfrentar uma sala de aula com 20 meninos pré-adolescentes. Que acontece? Mais de 60% das aulas, são por TV. Eles detestam. Vai criando uma vazio de formação de valores também… Ao final, conceitos como não roubar, respeitar, orgulho de ser cubano vão se perdendo. Eu e meu marido tratamos de falar desses temas em casa, mas nem sempre podemos. E nem todos os pais têm tempo e recursos para tal.

    FOLHA – Como era o ensino na sua época?

    SÁNCHEZ – No meu tempo era diferente, com mais qualidade. No meu tempo tínhamos professores convencionais. Estou muito preocupada, porque é uma educação no automático, que tem muita ideologia, porque a meu filho não avaliam só a respeito de quanto matemática ou espanhol sabe, mas quanto participa das atividades político-militares. E isso lhe força à moral dupla e ao oportunismo. Na classe do meu filho, há seis imagens de Fidel Castro, na parede e na porta. Não queria que meu filho tivesse nenhuma pressão ideológica. É uma educação baseada numa absorção de conhecimento. Não se aprende a debater, a escutar o outro, não se aprende a tolerar outros critérios. É comer livros. Um universitário que sabe muito de matéria específica, mas nada de história moderna. Penso que são coisas que se podem superar. Por que isso acontece? Porque os professores não tem reconhecimento econômico e social do trabalho deles. Eles recebem entre 300 e 500 pesos no máximo, que são menos que 25 pesos conversíveis. Isso significa que ninguém quer trabalhar, por sua vontade, nas escolas. Então, recruta-se esses jovens, que não puderam chegar á universidade, faz-se um compromisso que eles estão obrigados a dar aulas por dez anos antes de entrar na universidade. Não têm desejos. O professor do meu filho, na primeira semana, disse: “Estudem para que não aconteça com vocês o que aconteceu comigo, que queria ser analista de informática e tive que ser professor”. Esses são os sinais. Creio que essa é uma preocupação compartilhada.

    FOLHA – O governo tem mencionado o problema?

    SÁNCHEZ – No Congresso da Uneac [União de Escritores e Artistas de Cuba], mencionou-se isso, muitos intelectuais estão preocupados, mas não se tomou medidas concretas. Em Cuba, durante muito anos, o ministro da Educação não foi ministro. Quem decidia era Fidel Castro. Não se pode deixar para trás o que foi uma idéia dele. Enquanto isso, há um impasse no qual as coisas não evoluem.

    FOLHA – Você se considera uma dissidente?

    YOANI SÁNCHEZ – Sou da sociedade civil. Nunca militei em organizações políticas, o que para o espectro classificativo do governo é muito difícil. Não me considero uma opositora. Não tenho programa, não me interessam o poder ou a política. Falo de problemas concretos. Aqui, temos um pilar muito grande que é o Estado, um pilar que é mais ou menos ilegal que é a oposição, mas falta um pilar: a sociedade civil. Como podemos convocar os cidadãos sem a intromissão do Estado? Como podemos nos comunicar para fazer um mercado de vendas de segunda mão? Queria poder ter uma associação de pais para discutir o ensino, que está em crise. Como? É preciso reforçar esse pilar.

    FOLHA – E qual é o plano para reforçar a sociedade civil?

    YOANI SÁNCHEZ – Idéias claras não temos, mas alguma intuição. É ir pouco a pouco. Pessoas anônimas, gente que queira empregar seu talento e seu tempo em Cuba. Que tenha uma visão de sociedade não como um quartel ou um partido político. Conheço muita gente como eu. Por isso os blogs cabem muito bem nessa iniciativa, porque o blog é a expressão de um indivíduo. E em Cuba é preciso fortalecer o indivíduo acima da massa. Em outras sociedades, o individualismo é um problema. Em Cuba, o grande problema é o bloco, a massa, o “nós”. O “eu” também tem que passar a ser protagonista.

    FOLHA – O que pretende fazer para promover a blogosfera cubana?

    SÁNCHEZ- Tenho algumas propostas. Tenho muitos projetos para aumentar o blog, para ampliá-lo, para ajudar a blogosfera cubana. O grande problema é o acesso à internet. Como você viu, não posso acessar meu blog. É uma relação esquisita, às cegas, do blogueiro com seu blog. Não posso ter por mercado negro, porque eu sou uma das pessoas mais observadas. Então, graças à minha rede de amigos é que publico. Agora estou trabalhando uma versão do blog para publicar em livro, por Alfaguara. Uma versão ao francês. Em polaco. É precisamente um exemplo de sociedade civil virtual. Começam a reunir-se, começam a criar sites espelhos. É uma comunidade muito bonita.

    Sobretudo, o que mais desejo é ajudar outras pessoas a fazerem seus blogs, com temáticas diferentes. É o que estou fazendo. Na semana passada, ajudei um grupo de maçons a fazer um blog. Ajudei um artista plástico a colocar sua obra num blog. Ou seja, quero fazer um blog para um grupo de pessoas que queiram falar de sua experiência na União Soviética na perestroika. Pluralidade. É o que precisa a sociedade cubana.

    FOLHA – Falando em pluralidade, o que achou do primeiro evento oficial da ilha contra a homofobia?

    SÁNCHEZ- Eu me alegro muito que se esteja fazendo um movimento de reivindicação da comunidade gay, porque eles sofreram muito. Ainda que seja tardio, me alegro com o que está acontecendo. O que sempre me pergunto, quando ouço esses chamados à tolerância, como se pode chamar à uma tolerância parcial? A diversidade é uma exceção. Somos um povo muito diverso. Escrevi um post que se chama: sair do armário. Tenho um amigo que é gay e contestador. Ele está muito feliz, porque, se quiser, pode sair um dia vestido de mulher. Mas ele sabe para sair do armário de suas opiniões políticas vai ter que esperar muito mais. Tirou um pé do armário, mas não saiu completamente. Essa é minha principal questão. O machismo cubano precisa dessa terapia de choque. Estamos dirigidos por uma protomachos que tem o discurso das armas, um discurso varonil. Então, é um pouco contraditório esse outro fenômeno se não passa por uma revisão do discurso político, que fala de hombridade, enquanto outros valores mais femininos, mais maternais não têm eco. A concórdia, essa coisa tão maternal de reconciliar os filhos.

    FOLHA -Você disse que não é socialista. Que modelo você acha que Cuba deveria seguir?

    SÁNCHEZ- Sou preocupada com a justiça social, mas por outro lado não gosto desse capitalismo de Estado. Confio na criatividade dos cubanos para fazer nosso próprio modelo. Tentar reformar esse dinossauro fora de moda é involuir.

    Não tenho cor política. É uma característica de minha geração e da minha época. A pós-modernidade não admite uma classificação clara. Sou preocupada com a justiça social, mas por outro lado não gosto desse capitalismo de Estado onde o Estado tem tanta importância e controle sobre nossas vidas. Confio na criatividade dos cubanos para fazer nosso próprio modelo, porque esse modelo já está esgotado. Tentar reformar esse dinossauro fora de moda é involuir.

    FOLHA – Nas ruas, as pessoas não falam de mudar o sistema político, e temem perder os sistemas de saúde e educação universais gratuitos…

    SÁNCHEZ – Não são gratuitos. Porque nenhum sultão árabe nos deu dinheiro para o sistema de saúde. Nós pagamos. Como? Com um salário que não dá para viver. Pagamos com a impossibilidade de decidir o que comer. Com isso, pagamos os dois sistemas. Então, o que temos buscar um equilíbrio entre o real custo desses dois sistemas para nós e o que nós estamos dispostos a pagar. Sobretudo evitar que esse seja o argumento para nos neutralizar politicamente. Isso não é uma situação de agradecimento eterno a um governo. Isso nós pagamos, são nossos hospitais e nossas escolas. Nós somos a mão-de-obra que trabalha aí. Não temos que engolir as críticas por causa disso. A questão é que nós mesmos saibamos mantê-los. Ter mudanças, melhorando e reformando esses sistemas. Em Cuba, neste momento, há uma situação muito delicada economicamente, socialmente. É o esgotamento de um projeto social, que já não mostra visivelmente outros argumentos que não sejam: o império, Cuba antes da Revolução e os países mais pobres da América Latina. Já nem se fala mais sequer da igualdade. Porque a dualidade monetária dividiu o país.

    FOLHA – Você falou da política dos EUA para Cuba. Como a avalia?

    SÁNCHEZ – Minha ótica é cidadã, e como cidadã me sinto presa entre dois discursos. De uma parte, o governo cubano, que tenta justificar todo o desastre econômico por causa do bloqueio, e por outro, o discurso dos EUA que tenta asfixiar o governo com a medida. O bloqueio é de uma torpeza sem nome. No meio, estamos nós, padecendo as penúrias materiais. Em relação à política dos EUA, há que escutar muito mais ao cidadão em ambas as partes. Me sinto como uma criança pequena que está no meio de seus pais discutindo e ninguém lhe escuta. Ninguém escuta os cidadãos das duas nações com seus verdadeiros desejos de reconciliação.

    FOLHA – Se Bush a convidasse para ouvir um discurso, como fez recentemente com um grupo de dissidentes em Havana, você iria?

    SÁNCHEZ – Não discursos de ninguém. Agora eu respeito às pessoas que tomam a decisão de escutar qualquer discurso. É um direito que de casa um. Nunca coloquei um pé no escritório de interesses nos EUA. Sou uma das poucas pessoas em Cuna que não tem sequer parentes nos EUA. Mas creio que, como cidadãos americanos visitam o escritório de Interesses Cubanos nos EUA, e fazem atividades políticas, acho que os cubanos aqui tem direito de decidir onde põem os pés. Eu não faria, mas não tenho preconceito e não vejo nenhum estigma nisso.

    FOLHA – Você já elogiou Obama. Tem esperança que ele mude algo, caso eleito?

    SÁNCHEZ – Obama goza de popularidade em Cuba. Pertence a uma geração de políticos que não arrasta o rancor do passado. Pertence a uma geração que aqui em Cuba não está nem perto de assumir o poder, além de ter a simpatia da comunidade negra _aqui os dirigentes ainda são brancos, na maioria. Um presidente negro aqui é algo que está a anos luz de acontecer. Se acontecer, isso romperá muito o esquema da “ameaça do inimigo”, os estereótipos na imprensa oficial. Do ponto de vista da imagem, é interessante, pode provocar uma redefinição na política cubana.

  8. Es solo razonando con lo que ellos mismos plantean y relacionandolo con las fuentes que necesitan para subsistir.
    El sistema como tal se contradice en su escencia.
    El socialismo solo puede existir, parasitando sobre el sistema capitalista, del cual tiene que tomar como minimo el abastecimiento de alimentos y la entrada de divisas necesarias, porque de otra forma, volverian a la edad de piedra, como les sucedio en el 94.

  9. Ingenuo muy buenas tus observaciones!

  10. El sistema politico cubano, que se dice socialista, pero tiene mucho en comun con el feudalismo y el nacional socialismo de la Alemania Nazi, no hace mas que justificar sus fracasos con el embargo norteamericano y tratar de culpar al capitalismo de todo lo malo que existe en Cuba.
    Ayer lei un comentario de alguien con esta idea y me he quedado pensando.

    ¿Por que el socialismo cubano depende del turismo y del sistema capitalista para sostenerse?
    ¿Que sucederia si todos los paises fuesen socialistas?
    ¿De donde saldria el turismo para desarrollar la economia? Porque en el socialismo cubano, los salarios son tan bajos que ningun ciudadano podria hacer turismo, mucho menos de un pais a otro y si algunos tuvieran la oportunidad, por las prebendas que disfrutan, serian, en todo caso, una minoria, como lo es la nomenclatura.
    ¿A quien le comprarian los millones y millones de dolares que necesitan importar cada año para poder comer? Pporque sencillamente, en el socialismo a lo cubano, no hay porduccion y tienen que importar mas del 70 porciento de los alimentos que consumen (segun datos desde Cuba).

    Si no fuera el capitalismo, ¿quien los iba a ayudar? ¿Quien les iba a enviar donaciones? ¿Que pastores por la paz les iban a donar computadoras y omnibus escolares, medicinas y otros?

    En resumen. ¿Que sentido tiene el socialismo como lo plantean ustedes, si es completamente dependiente del capitalismo para subsistir?

  11. De las bibliotecas libres te paso este link

    http://www.ifla.org/faife/faife/cubarep1.htm

    en esa pagina se explica que la creacion de las bibliotecas libres no violaba ninguna ley cubana etc.
    Leelo completico es bien interezante.

    En el comienso del articulo se plantea
    Cuando Fidel Castro dijo en la Feria Internacional del Libro celebrada en la habana en febrero de 1998 que “En cuba no existen libros prohibidos solo aquellos que no tenemos dinero para comprarlos” ,Berta del Carmen Mexidor Vázquez, una economista de la provincia de las Tunas vio la oportunidad de comenzar un projecto de formar Bibliotecas Independientes….

    When Fidel Castro stated at the International Book Fair, celebrated in Havana in February of 1998 that: “In Cuba there are no prohibited books, only those we do not have the money to buy “, Berta del Carmen Mexidor Vázquez, an economist in the province of Tunas saw the opportunity to begin a project of forming independent libraries where Cuban readers would have unrestricted access to books, magazines, documents, and other publications vetoed by state run institutions. The principal objectives are to open a neutral enlightening space, dedicated to literature, debate, the investigation and analysis of diverse materials, and to expand the cultural and investigative horizons of all interested people.

  12. Por ultimo Pepito Cachimba
    Espero que encuentres tiempo para constestar cada una de las preguntas que te escribi por alla arriba ya que yo he tomado mi tiempo para responder todas tus inquietudes.

    Me gustaria saber como una persona de tu ideologia responde.

    Si no contestas me tomare la impresion de que estas esquivando mis preguntas y entonces comenzare a especular las razones por que no contestas.

    🙂

  13. Pepito Cachimba espero que todas las pruebas que te he dado arriba sean suficientes para convencerte de que de lo que hablas arriba es teoria. Una de tantas.
    Como vez en un pais libre como este la gente especula y eso es normal.

    Que bueno que cuba fuera asi tambien. Que se pudieran publicar teorias a la vista de todos! Siempre y cuando se avancen como teorias y no como realidad! A menos que se tengan pruevas de su veracidad.

Los comentarios están cerrados.